Pular para o conteúdo
Home » MilaNews » CANÇÃO AO LONGE, de Clarissa Campolina, estreia no Festival do Rio

CANÇÃO AO LONGE, de Clarissa Campolina, estreia no Festival do Rio

Filme acompanha a busca de Jimena por sua identidade e lugar no mundo, numa paisagem urbana e sonora inventivas

Quinta-feira, dia 13, o longa-metragem mineiro Canção ao Longe, dirigido por Clarissa Campolina, e produzido pela Anavilhana, estreia no Festival do Rio, na capital carioca. Dentro da programação da Première Brasil, na mostra competitiva “Novos Rumos Longa-metragem”, o filme será exibido às 20h45, no Estação Net Gávea, numa sessão para convidados. Sexta, dia 14, haverá outra sessão, aberta ao público, seguida de debate com a diretora e equipe, no Estação Net Rio, às 19h. O longa é distribuído pela Vitrine e tem estreia nas salas de cinema prevista para o próximo ano.

Canção ao Longe acompanha a busca de Jimena (Mônica Maria) por sua identidade e por seu lugar no mundo. A jovem deseja mudar-se da casa, que compartilha com a mãe e a avó, e onde sente-se deslocada. Ela também precisa romper com seu pai, com quem mantém uma troca de cartas à distância. Nesse movimento, Jimena lida com sua origem, seu corpo, suas escolhas e se depara com o silêncio de suas relações familiares. Através do seu olhar, o filme levanta questões sobre classe, família, tradição, raça e gênero.

O filme trata do rito de passagem para a vida adulta da jovem arquiteta Jimena, protagonizado pela atriz, artista visual e tatuadora Mônica Maria, em seu primeiro papel em longa-metragem. O projeto do filme começou no ano de 2012 e a chegada de Mônica foi transformadora no desenvolvimento das ideias iniciais e roteiro do filme, que é assinado por Clarissa Campolina, Caetano Gotardo e Sara Pinheiro. “Havia o desejo de trazer para o centro da narrativa, o retrato íntimo das relações familiares e sociais, a fim de revelar fissuras e colocar em xeque as estruturas em que nos moldamos. O encontro com a Mônica Maria modificou e enriqueceu as questões a serem trabalhadas no filme. Mônica é uma mulher preta e a questão racial passou a ser fundamental para a narrativa e todo o processo do filme, desde sua escrita, até a pesquisa, produção, ensaios com os atores e atrizes e a relação dos corpos com o espaço urbano”, conta Clarissa.

A narrativa foca na história de uma protagonista feminina, forte e firme, silenciosa e atenta, e o espectador é lançado para dentro das imagens e, talvez, devolvido com elas para dentro de si – numa câmera que acompanha de perto a protagonista. É um filme sobre a experimentação e a descoberta de si e, no limite, sobre a aposta de que esse movimento é o nosso lugar, íntimo e também coletivo. Produzido pela Anavilhana, o longa é a estreia na direção solo de Clarissa Campolina e traz no elenco Margô Assis, Matilde Biadi, Ricardo Campos, Jhon Narvaez, Enzo Daniel e Carlos Francisco – o Damiano de Bacurau, direção de Kléber Mendonça Filho e Juliano Dornelles (2019) e Wellington de Marte um, direção de Gabriel Martins (2022).

Canção ao Longe cria um universo rico, diverso e único ao destacar a paisagem urbana da capital belorizontina junto a paisagem sonora do filme. Edificações antigas, viadutos, comércios do centro e novas construções se ambientam ao som de Juçara Marçal, Matéria Prima, Marina Cyrino, Patrícia Bizzoto e Nathália Fragoso, Kainná Tawá, Juliana Perdigão (interpretando “Alguém cantando, de Caetano Veloso) e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, sob a batuta do maestro Sérgio Gomes (interpretando Schumman).

Sinopse

Canção ao Longe acompanha a busca de Jimena por sua identidade e por seu lugar no mundo. A jovem deseja mudar-se da casa que compartilha com a mãe e a avó e onde sente-se deslocada. Ela também precisa romper com seu pai, com quem mantém uma troca de cartas à distância. Nesse movimento, Jimena lida com sua origem, seu corpo, suas escolhas e se depara com o silêncio de suas relações familiares. Através do seu olhar, o filme levanta questões sobre classe, família, tradição, raça e gênero.

Serviço Canção ao Longe

Estreia no Festival do Rio | Dia 13.10 | quinta-feira | 20h45 | Local: Estação Net Gávea 3 (Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea, Rio de Janeiro) | sessão para convidados

Sessão aberta ao público + Debate | Dia 14.10 | sexta-feira | 19h | Local:  Estação Net Rio 5 (Rua Voluntários da Pátria, 35, Botafogo, Rio de Janeiro)

Ficha técnica | Canção ao Longe | Ficção | 75’ | Livre

Direção: Clarissa Campolina

Produção: Luana Melgaço

Elenco: Mônica Maria, Margô Assis, Jhon Narvaez, Matilde Biadi, Ricardo Campos, Enzo Daniel, Carlos Francisco

Direção Assistente: Luiz Pretti

Cartas: Paula Santos, Luiz Pretti

1ª Assistente de Direção: Paula Santos

Roteiro: Caetano Gotardo, Clarissa Campolina, Sara Pinheiro

Produção Executiva: Joana Rennó, Luana Melgaço

Direção de Produção: Camila Bahia, Laura Godoy

Direção de Fotografia: Ivo Araújo Lopes

1º Assistente de câmera: Leandro Gomes

Direção de Arte: Thais de Campos

Figurino: Marina Sandim

Técnico de Som: Gustavo Fioravante

Montagem: Luiz Pretti

Edição e Desenho de Som: Pablo Lamar

Finalização: Lucas Campolina

Identidade Visual e Créditos: Mariana Mansur

Empresa Produtora: Anavilhana

Empresa Distribuidora Brasil: Vitrine Filmes

 

Sobre a Diretora

Clarissa Campolina é sócia da produtora Anavilhana e trabalha como diretora, roteirista, montadora, professora e curadora. Seus filmes foram exibidos e premiados em festivais em Brasília, Locarno, Oberhausen, Buenos Aires, entre outros. Girimunho, seu longa de estreia, teve sua première internacional no Festival de Cinema de Veneza em 2011, e recebeu premiações em Veneza, Mar Del Plata, Nantes, Havana. Em breve, ainda em 2022, o seu segundo longa-metragem Enquanto Estamos Aqui será distribuído no circuito comercial brasileiro.

 

Sobre a Produtora

A Anavilhana surgiu do encontro entre Clarissa Campolina, Luana Melgaço e Marília Rocha. Fundada em 2005, a produtora reúne mais de 20 anos de experiência de suas sócias, com o desejo de articular pesquisa, formação, produção e criação audiovisual.

Desenvolvemos projetos das nossas integrantes e parcerias com diretoras e diretores independentes, produções associadas e co-produções dentro e fora do Brasil. Nosso trabalho é norteado pela criação de desenhos de produção mais adequados a cada novo projeto, pelas trocas com outras produtoras e realizadores, e pelo investimento na pesquisa de linguagem. Tudo isso desde sua origem, quando as três sócias integraram o grupo Teia (www.teia.art.br).

Até o momento, a Anavilhana lançou mais de 30 obras audiovisuais, com ampla participação no mercado de cinema autoral: curtas e longas-metragens, instalações, séries de TV e teatro. Teve trabalhos oficialmente selecionados e premiados festivais nacionais como: É Tudo Verdade, Festival de Brasília, Festival do Rio, Mostra de Tiradentes; em festivais internacionais: Berlinale, Veneza, Toronto, San Sebastian, Locarno, Roterdã, Visions du Réel, DocLisboa; e em museus de arte do mundo: Centre Georges Pompidou, MoMA, Inhotim. Suas produções também estiveram destacadamente presentes no circuito comercial de cinema e em plataformas de streaming no Brasil e no exterior.

E para quem se pergunta o que significa Anavilhana, explicamos: o arquipélago de Anavilhanas, um dos maiores do mundo, situa-se no Rio Negro, na região amazônica. Este conjunto de ilhas fluviais inspirou a escolha do nome da produtora, ao entendermos que um arquipélago só se faz na autonomia de suas ilhas e na união de todas elas.

 

Sobre a Vitrine Filmes

A Vitrine Filmes, em dez anos de atuação, já distribuiu mais de 160 filmes e alcançou mais de quatro milhões de espectadores. Entre seus maiores sucessos estão ‘O Som ao Redor’, ‘Aquarius’ e ‘Bacurau’ de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Outros destaques são ‘A Vida Invisível’, de Karim Aïnouz, representante brasileiro do Oscar 2020, ‘Hoje Eu Quero Voltar Sozinho’, de Daniel Ribeiro, e ‘O Filme da Minha Vida’, de Selton Mello. Entre os documentários, a distribuidora lançou ‘Divinas Divas’, dirigido por Leandra Leal e ‘O Processo’, de Maria Augusta Ramos, que entrou para a lista dos 10 documentários mais vistos da história do cinema nacional.

Além do cinema nacional, a Vitrine Filmes vem expandindo o seu catálogo internacional ao longo dos anos, tendo sido responsável pelo lançamento dos sucessos ‘O Farol’, de Robert Eggers, indicado ao Oscar de Melhor Fotografia; ‘Você Não Estava Aqui’, dirigido por Ken Loach, e ‘DRUK – Mais uma rodada’, de Thomas Vinterberg, premiado com o Oscar de Melhor Filme Internacional 2021.

Em 2022, a Vitrine Filmes apresenta ainda mais novidades para a produção e distribuição audiovisual. Entre as estreias, cinco novos longas da Sessão Vitrine: ‘Como Matar a Besta’, de Augustina San Martín; ‘Seguindo Todos os Protocolos’, de Fábio Leal; ‘Tantas Almas’, de Nicolás Rincón Gille; ‘Virar Mar’, de Philipp Hartmann e Danilo de Carvalho; e ‘A Morte Habita à Noite’, de Eduardo Morotó. Além dos filmes do Sessão Vitrine, estão confirmados para 2022  ‘A Viagem de Pedro’, de Laís Bodansky; e ‘O Livro dos Prazeres’, de Marcela Lordy, entre outros títulos.