Pular para o conteúdo
Home » MilaNews » “EROS”, DIRIGIDO POR RACHEL DAISY ELLIS, É O ÚNICO LONGA BRASILEIRO SELECIONADO PARA O FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS DE COPENHAGUE, O CPH:DOX 2024

“EROS”, DIRIGIDO POR RACHEL DAISY ELLIS, É O ÚNICO LONGA BRASILEIRO SELECIONADO PARA O FESTIVAL INTERNACIONAL DE DOCUMENTÁRIOS DE COPENHAGUE, O CPH:DOX 2024

Documentário investiga maior instituição de sexo do Brasil: o motel. Contado sob o dispositivo do auto-registro, obra examina a intimidade, o sexo e o amor através de 10 estadias de motel

No documentário EROS, pessoas frequentadoras de motel foram convidadas a se filmar durante uma noite e compartilhar os seus vídeos para fazer parte do filme dirigido pela britânica-brasileira Rachel Daisy Ellis.

O longa foi o único brasileiro selecionado para a 21ª edição do festival internacional de documentários de Copenhague, na Dinamarca, o CPH:DOX 2024, dentro da seção NEXT:WAVE, que traz apenas dez títulos de realizadores emergentes internacionais, uma amostra do que há de mais inovador entre documentários mundiais de cineastas em início de carreira. Sucessos como Queendom e The Last Year of Darkness estrearam no festival em 2023. EROS concorrerá ao prêmio NEXT:AWARD e ao prêmio de audiência.

O CPH:DOX é um dos festivais europeus mais prestigiosos de documentários e acontece de 13 a 24 de março de 2024.

A diretora destacou que está “muito feliz com a seleção no festival que é uma plataforma tão importante para novos realizadores de documentário e que dá visibilidade a projetos e autores que estão experimentando com linguagens e provocando novos debates em torno do documentário. Vai ajudar a garantir que EROS seja visto e debatido com mais gente.” 

EROS surgiu de uma vontade de explorar e refletir sobre o maior instituição de sexo do Brasil: o motel que “serve como um prisma das normas e práticas sexuais e emocionais e faz parte do tecido da identidade sexual do país” explica a diretora sobre o desejo de fazer um filme sobre motéis. “Queria explorar e entender melhor as relações que aconteceram entre as quatro paredes dos suítes de motel e o que poderiam revelar sobre como nos relacionamos intimamente.”  

Todas as filmagens foram realizadas com os celulares das próprias personagens que foram convidados a se filmaram durante uma estadia, numa suíte de sua escolha. “Escolhi o dispositivo do auto registro como maneira de adentrar a intimidade e explorar a auto-representação. O filme acabou sendo um mergulho nas relações íntimas, a liberdade sexual, o refúgio, a relação corpo-espaço, a auto-representação, a performance, o amor romântico e a solidão.”

O documentário, produzido por Dora Amorim da produtora Ponte em parceria com a produtora da diretora, Desvia tem distribuição no Brasil da Fistaile, de Talita Arruda e Marina Tarabay. O filme faz parte de um trabalho mais amplo autoral da diretora que explora a influência de instituições nas relações interpessoais, e também o auto-registro.

Sobre o conteúdo bastante explícito no filme, a diretora esclarece: “Fiquei surpresa e tocada com a generosidade com que as pessoas se expuseram, mas entendi que também existe uma vontade erótica, um desejo de se exibir pro mundo, mostrar seus corpos e contar pro mundo suas histórias.  A parceria e cumplicidade entre eu e todos os personagens foi um processo muito lindo e enriquecedor, não apenas para o filme mas pessoalmente.”

A diretora e o montador Matheus Farias costuraram 10 histórias de pessoas que se filmam durante uma noite em 10 suítes diferentes, de distintos lugares do Brasil. A montagem aconteceu em paralelo a pesquisa e a produção, num processo circular, e não linear, ao longo de dois anos. 

A diretora é conhecida por seu trabalho como produtora de títulos nacionais como Boi Neon, Divino Amor e Doméstica, dirigidos por Gabriel Mascaro, com quem tem uma parceira na produtora DESVIA, há 14 anos. Em 2018 dirigiu um curta documentário “Mini Miss”, seu primeiro trabalho como diretora, que estreou em True/False nos Estados Unidos e ganhou o prêmio de aquisição do Canal Brasil no festival Brasileiro É Tudo Verdade. Eros é seu primeiro longa-metragem como diretora e tem outros projetos documentários em diferentes fases de desenvolvimento e produção.

Sinopse:
O filme EROS acessa a intimidade vivenciada na maior instituição erótica do Brasil: o motel.  Pessoas frequentadoras foram convidadas a se filmar durante uma noite e compartilhar os seus vídeos para fazer parte de um filme.

Ficha Técnica

Direção e Argumento – Rachel Daisy Ellis

Produção: Dora Amorim, Rachel Daisy Ellis

Montagem – Matheus Farias, Edt

Desenho de som – Nicolau Domingues

Mixagem -Nicolau Domingues e Mauricio D´Órey

Participantes & Filmagens de –  Marlova Dornelles & Andrade, Gabriel Soares & Hagar, Joana & José dos Santos, Ale Gaúcha & amigos, Fernanda Falção & Ribersson, Camila & Heber, Barbara Drummond & Paulo Vela, Luis de Basquiat, Rachel Daisy Ellis

Assistência de direção David Moura, Everton Federico, Hellyda Cavalcante

Pesquisadores. Victoria Alves, Bruna Leite, Chico Ludemir, Chico Ludemir, Vanessa Forte,  Maria Clara Escobar, Fernanda Luá, Tainã Aynoã dos Santos Barros, Mayara Sanchez, Laura Dornelles