Pular para o conteúdo

Cultura à Milanesa

“As linhas da minha mão” estreia 18 de abril no Rio de Janeiro

Dirigido por João Dumans, codiretor de Arábia (2017), o filme é protagonizado pela artista Viviane de Cássia Ferreira, que fala francamente sobre a sua experiência com a arte e a loucura

Grande vencedor da Mostra Aurora do Festival de Tiradentes de 2023, AS LINHAS DA MINHA MÃO, de João Dumans, estreou nos cinemas em 11 de abril em Belo Horizonte, Goiânia, Poços de Caldas, Brasília, João Pessoa, Aracaju, Palmas, Recife, Fortaleza, Vitória, Porto Alegre e Niterói. A estreia do longa em São Paulo e no Rio de Janeiro será no dia 18 de abril. A classificação indicativa é de 14 anos.

O filme nasce a partir de uma série de encontros entre o cineasta e a artista Viviane de Cássia Ferreira, nos quais ela fala sobre a vida, seu trabalho e sua própria experiência com a loucura. A produção é da Katásia Filmes, e a distribuição da Embaúba Filmes. 

Minha questão em relação à Viviane, minha percepção e fascinação por ela, estão muito relacionadas à clareza e a precisão com que ela é capaz de articular certas ideias sobre a vida e sobre a loucura. Com o seu poder de síntese e de explicação de realidades e estados emocionais complexos. Coisas que me parecem ser bem difíceis de formular. Seja em relação à loucura, à solidão, a questões afetivas e sexuais”, explica Dumans.

Atriz do núcleo Sapos e Afogados, um dos grupos teatrais mais importantes do Brasil na área de criação e saúde mental, Viviane se abre diante da câmera sobre questões delicadas como o próprio adoecimento, já que convive desde os 30 anos com o diagnóstico de Transtorno Bipolar. No filme, ela fala de forma aberta também sobre a sua solidão e sobre a sua sexualidade, dois temas tabus para mulheres mais velhas na sociedade brasileira. Mas o faz de uma maneira leve, engraçada e cativante, o que leva as pessoas a se identificarem com a sua personagem e a perceberem essas questões de um ângulo diferente.

“Fico pensando na depressão como uma senhora fria e triste que vai ao nosso portão todas as manhãs, como diz o verso de uma banda da minha época. Na música, a pessoa sorri e manda ela ir embora. Tenho que fazer esse exercício diário. E cada vez que consigo, a sensação que vem é a de juventude. De que tenho mais vida. Porque a depressão é o polo oposto, é a pulsão de morte. A euforia é uma pulsão de vida, mas não posso ir para lá, nem para cá, tenho que ficar navegando. E, nesse sentido, é importante ter pessoas, afetos a quem eu possa confiar. E dá certo. Normalmente, são pessoas mais jovens que eu. Gosto da força da juventude. Fui mãe muito cedo, aos 16 anos, e isso interfere… Parei tudo e fui criar minha filha. Trabalhei muito. E deu certo. Cada batalha que ganho da doença me deixa tão feliz… Isso me rejuvenesce um tanto.”, conta a artista.

Para mim, as coisas super se confundem, porque gosto mesmo de trabalhar. Nem me chamo de atriz, me nomeio ‘performer entre arte e vida’. Onde meu trabalho está, há uma verdade muito pessoal, particular e subjetiva. E o contrário também é verdade. Quero que a minha arte reflita isso. Por isso foi muito legal o meu encontro com o João, porque ele se dispôs a isso. O mais quente da interpretação é a própria vida. Isso se confunde o tempo todo, mesmo quando são só memórias. Nossas memórias estão cheias de vida”, confessa a artista.

Clique abaixo e assista ao trailer:

Dumans também destaca a importância do improviso no filme que, para ele, “significa esse lugar específico da atuação onde a vida e o cinema se confundem.” “Para cada realizador, trabalhar com um não-ator, um ator não-profissional ou um ator iniciante, improvisar, significa coisas diferentes.  No nosso caso, o improviso consistia na disponibilidade de estar junto e tentar encontrar alguma coisa que nós ainda não sabíamos o que era. 

Em sua estreia no Festival de Tiradentes, AS LINHAS DA MINHA MÃO foi recebido com enorme entusiasmo pela crítica e pelo público. 

A narrativa se torna tensa, não pelo fato em si, mas por tudo que arrasta com ele — as dores da profissão (atriz), as dificuldades familiares ou as decepções amorosas. Elas como que rebatem num mal em que psiquiatra, psicanalista, psicólogo surgem como emanação de uma doença que se confunde com o excesso de desejo, de vida (ou ao menos parece isso) em um mundo que fica praticamente fora da imagem, mas a tensiona permanentemente”, escreveu Inácio Araújo na Folha de S. Paulo. 

No texto de premiação de Melhor Filme, o Júri da Mostra Aurora de Tiradentes escreveu: 

“O quadro se torna a abertura de uma pessoa que a todo momento desafia a noção de bordas, expande limites e se prova uma fabuladora maior que a vida. Um sujeito que inventa a si mesmo diante de nós, plano a plano.”

AS LINHAS DA MINHA MÃO será lançado no Brasil pela Embaúba Filmes.

Sinopse
Por meio de uma série de encontros imprevisíveis, uma atriz fala sobre a sua experiência com a arte e a loucura. Dividido em sete atos, o filme é, ao mesmo tempo, o retrato de uma mulher e um estudo sobre as possibilidades desse retrato.

Ficha Técnica
Direção:
 João Dumans
Produção executiva: Laura Godoy
Roteiro: João Dumans e Viviane de Cassia Ferreira
Direção de fotografia: João Dumans
Som direto: Rafael dos Santos Rocha
Montagem: Luiz Pretti
Assistente de Direção: Rafael dos Santos Rocha
Finalização: Leonardo Feliciano
Elenco: Douglas Klinger, Leandro Acácio e Viviane de Cassia Ferreira
Trilha sonora: Francisco Cesar, Bernardo Caldeira, Thiago Delegado, Camila Rocha, Paulo Fróis, Sebastião Tapajós, Pedro dos Santos
Consultoria: Affonso Uchoa, Sérgio de Carvalho, André Dumans, Gabriela Albuquerque.
Edição e Mixagem de Som: O Grivo
Produtora: Katásia Filmes
País: Brasil
Duração: 80 min

Sobre João Dumans 

João Dumans é pesquisador e realizador de cinema. Dirigiu os longa-metragens As Linhas da Minha Mão (2023), escolhido Melhor Filme na 26ª Mostra de Tiradentes, e Arábia (2017), codirigido com Affonso Uchoa, que foi exibido e premiado em inúmeros festivais ao redor do mundo e ganhou os prêmios de Melhor Filme no 50º Festival de Brasília e Melhor Filme pela APCA em 2018. Trabalhou como assistente de direção, roteirista e montador em longas como A Vizinhança do Tigre, Aquele que viu o Abismo, Os Residentes, A Cidade onde Envelheço, Os Sonâmbulos, Sete Anos em Maio, entre outros. Em Belo Horizonte, trabalhou como programador do Cine Humberto Mauro e como professor de Cinema e Audiovisual da UNA. Atualmente é Coordenador do Núcleo de Realização Cinematográfica do Galpão Cine Horto, em Belo Horizonte.

Sobre a Katásia Filmes 

A Katásia é uma produtora dedicada à criação e à pesquisa de cinema e arte sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, formada por João Dumans, Tiago Mata Machado e Cinthia Marcelle. Entre seus projetos mais relevantes estão os longa-metragens As linhas da minha mão, ganhador da 25ª Mostra de Tiradentes, Os Sonâmbulos, ganhador do prêmio de Melhor Filme da Mostra Caleidoscópio no 51º Festival de Brasília, Arábia, ganhador dos prêmio de Melhor Filme, Ator, Montagem, Trilha Sonora e Crítica no 50º Festival de Brasília, Os Residentes e A Vizinhança do Tigre, ambos ganhadores da Mostra de Tiradentes. Esses filmes foram exibidos em inúmeros festivais ao redor do mundo, como Rotterdam, Berlim, Viena, San Sebastian, New Directors/New Films, BAFICI, Indie Lisboa, entre outros. A Katásia também produziu uma série de vídeos em conjunto com a artista Cinthia Marcelle, exibidos em galerias e exposições ao redor do mundo, como Nau/Now (2017), exibido na 57ª Bienal de Veneza, Buraco Negro, exibido na 29ª Bienal de São Paulo (2010) e Cruzada, ganhador do prêmio The Future Generation Prize, em Kiev, na Ucrânia (2010). Além disso, a produtora dedica-se a pesquisa cinematográfica, por meio da publicação de artigos em revistas, jornais e catálogos de cinema e da curadoria de mostras de filmes no Brasil e no exterior. 

Sobre a Embaúba Filmes

A Embaúba é uma distribuidora especializada em cinema brasileiro, criada em 2018 e sediada em Belo Horizonte. Seu objetivo é contribuir para a maior circulação de filmes autorais brasileiros. Ela busca se diferenciar pela qualidade de seu catálogo, que já conta com mais de 50 títulos, investindo em obras de grande relevância cultural e política. A empresa atua também com a exibição de filmes pela internet, por meio da plataforma Embaúba Play, que exibe não apenas seus próprios lançamentos, como também obras de outras distribuidoras e contratadas diretamente com produtores, contando hoje com mais de 500 títulos em seu acervo, dentre curtas, médias e longas-metragens do cinema brasileiro contemporâneo.

plugins premium WordPress